quarta-feira, 31 de março de 2021

O que te alimenta? — A fome emocional e a fome fisiológica

A fome física ou fisiológica é definida como a necessidade de obter nutrientes através da alimentação até encontrar-se saciado, com a finalidade de manter o funcionamento corporal, enquanto a fome emocional é caracterizada por um perfil exagerado de alimentação, que leva a ingestão alimentar compulsiva, muito além da sensação de saciedade. Ou seja, o indivíduo come compulsivamente podendo sentir-se mal.


A comida está presente em diversas ocasiões festivas e muitas vezes nos remete a momentos felizes e agradáveis do passado e, assim, para muitos indivíduos comer é reconfortante. Conflitos emocionais têm sido fortemente associados a transtornos alimentares, principalmente à síndrome de compulsão alimentar, em pacientes obesos severos. Além dos sintomas de ansiedade, depressão, estresse, tristeza e raiva, o comer de forma compulsiva pode ser uma estratégia de enfrentamento utilizada para amenizar ou resolver problemas cotidianos, proporcionando sensação de prazer. No início, a sensação de conforto é alcançada, uma vez que se come para tentar preencher o vazio, mas esse sentimento não perdura e muitas vezes é seguido pela culpa.

Algumas estratégias podem ser utilizadas para identificar a fome emocional, tais como:
  • Perceber se a vontade de comer surge de maneira repentina, em sentido de urgência, necessitando de ingestão imediata.
  • Urgência em ingerir alimentos específicos, geralmente calóricos, ricos em gordura e/ou açúcar.
  • Após a alimentação, sentir culpa, frustração, tristeza e não sentir saciedade.
  • Ao tentar realizar outra atividade no lugar de comer, a fome desaparece.
  • Existem algumas dicas que podem auxiliar no combate a alimentação emocional como:
  • Procurar identificar situações que desencadeiem a alimentação emocional para tentar evitá-las.
  • Prestar atenção no ato de alimentar-se, evitando distrações nesse momento (como televisão e celular) e mastigar os alimentos vagarosamente.
  • Tentar desempenhar atividades novas ou prazerosas para tirar o foco da comida. O que você poderia fazer no lugar de comer de maneira compulsiva, caso se sinta triste ou frustrado?
  • Prestar atenção se a quantidade de comida a ser ingerida é suficiente ou se há mais comida do que o necessário para a saciedade.
  • Tentar alimentar-se de maneira regular evitando pular refeições para diminuir as chances de episódios de alimentação em excesso.
  • Procurar planejar as refeições com antecedência pode ser uma estratégia para evitar comer em resposta a emoções;
  • Tentar realizar opções mais saudáveis em vez de ingerir alimentos com baixo valor nutricional.
  • Pedir ajuda. É importante formar uma rede de apoio com profissionais, amigos e familiares para compartilhar os sentimentos, vitórias e frustrações. Lembre-se que você não está sozinho e há pessoas que se importam com sua saúde e seu bem-estar.
Por fim, a alimentação emocional pode prejudicar a qualidade de vida das pessoas, sendo necessário estar disposto a ouvir e amparar quem precise de ajuda. É importante lembrar que cada um responde de maneira diferente a sentimentos e ações negativas.

*Fonte: Garcia GD, Pompeo DA, Eid LP, Cesarino CB, Pinto MH, Gonçalves LWP. Relationship between anxiety, depressive symptoms and compulsive overeating disorder in patients with cardiovascular diseases. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2018; 26:e3040. [Access 26/03/2020]; DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.2567.3040


terça-feira, 30 de março de 2021

Resenha literária: O Coach do Foda-se

Olá querido(a)!
A resenha literária de hoje é sobre o livro O Coach do Foda-se.


Sinopse: Na maioria do tempo, viver é um mico. Um absurdo. É para os fortes. Sendo assim, ninguém pode dizer o que você deve ou não fazer com a sua vida; pode, no máximo, fazer piada dela. E, isso, deixa com a gente. Coaching consiste em pagar pra alguém (que teve muito menos sucesso na vida que você) ficar botando regra nos seus problemas. É quase como contratar uma blogueira pra ficar dando opinião. Já que tem tanta gente fazendo isso, decidimos pegar a nossa experiência de fracasso e dar um pouco de sabedoria para quem não quer mudar de vida radicalmente, nem enriquecer, nem conquistar todos os homens. Este livro é pra quem quer parar de se importar! Porque você precisa viver sem um monte de regras sobre o que é ser feliz. Você não precisa de coach. Você precisa de FODA-SE.

Assunto: Humor.

Editora: Outro Planeta.

Páginas: 160.

Ano: 2019.

Sobre o autor: Eduardo Camargo e Filipe Oliveira já trabalharam em muitos empregos com mais desaforo do que salário. Hoje, como criadores do Diva Depressão, um dos maiores canais de entretenimento no YouTube, conseguiram um salário maior, mas o desaforo permanece. Filipe foi operador de telemarketing, daqueles que não têm plano de crescimento dentro da empresa. Já o Edu é praticamente formado em coaching, pois iniciou sua carreira de blogueira ao passar anos trabalhando em uma editora de autoajuda. Em O coach do foda-se, livro que já nasce como best-seller, eles abordam o universo da autoajuda de maneira divertida, irônica e ácida. Afinal, você não tem a menor obrigação de ser vencedora quando deveria estar apenas vivendo.


Esse livro eu estava doida para ler desde o lançamento. Passou um bom tempo na minha listinha, até que eu ganhei de presente de Natal.

Eu acho a capa desse livro bem bonita. O fundo é preto com a escrita em um rosa neon e algumas outras coisas em branco. Acho que a capa chama bastante atenção, ainda mais que o livro se intitula um Best Seller. O livro possui muitas frases de impacto que eu amei. Um livro que li bem rapidinho e dei boas risadas.

"Lembre-se: todo cadáver congelado no Everest já foi altamente motivado"

O que falar desse livro? Eu adoro os meninos do Diva Depressão e sabia que ia ser um livro super alto astral, divertido e ácido.  O livro é uma grande zoeira com os coachs, que são quase a profissão do futuro (sombrio). Eu ri tanto com esse livro, que vocês não tem noção. Eles distorcem todas as falas dos coachs e te dão um belo tapa na cara, haha. E eu posso zoar coach, ok? Tenho formação em coach, não atuo e posso zoar sim. Acho um livro bem necessário, porque ao mesmo tempo que é só zoeira, acaba denso uma crítica a esses profissionais, já que a maioria atua de forma bem duvidosa.

Para quem quer dar boas risadas esse é um bom livro. Mas se você é coach, indico passar longe, risco de causar raiva.


O que você achou da resenha? Já leu esse livro? Tem interesse em ler? Deixe seu comentário aqui embaixo, estou doida para saber a sua opinião!

Beijoos ;*

segunda-feira, 29 de março de 2021

Fruta-pinha ou fruta-do-conde?

Olá querido(a)!

O texto de hoje surgiu sobre minhas divagações enquanto saboreava uma fruta. Nada grandioso, mas muito especial para mim.


Estava eu comendo fruta-pinha
E pensando "por que gosto tanto dessa fruta?"
Muitas coisas passaram pela minha cabeça
Já que existem outras frutas tão gostosas
Mas a fruta-pinha é a minha preferida

Lembrei da minha infância
Do quanto sempre me empolguei quando via uma fruta-pinha
Lembrei de momentos
Era sempre especial ter uma fruta-pinha para comer

Sabe o porquê dela ser a minha preferida?
É difícil de encontrar, já que é uma fruta que estraga rápido
Um pouco mais cara que as outras frutas
Ela está presente no máximo uma vez no ano em minha vida
Eu demoro alguns bons minutos para comer, quase um ritual

Por essas razões ela é tão especialzinha
Minha fruta preferida, mesmo não sendo a mais consumida
Fruta-pinha ou fruta-do-conde, tanto faz
Só penso mesmo no sabor e nas memórias

sexta-feira, 26 de março de 2021

TOP 9: os 9 ovos de páscoa mais interessantes para 2021

Olá querido(a)!

A Páscoa está chegando e achei que seria uma boa ideia selecionar alguns ovos de chocolate para compartilhar com você que ainda está em dúvida com o que comprar. Lógico que minhas escolhas tem muito a ver com o que eu gosto em questão de chocolates. Devo falar também que eu não experimentei esses ovos, mas alguns já tive o prazer de comer em anos anteriores.


Fiz escolhas em três lojas diferentes: uma de chocolate comum, outra com chocolates com qualidade mediana e outra que é considerada premium. Então tem opções para todos os gostos

Lojas Americanas



Cacau Show



Kopenhagen


7- Ovo Língua Extra Cremoso 300g;
8- Ovo Repleto Chokonut 295g;
9- Miniovinhos Soul Good 250g.

Já conhecia esses ovos de chocolate? Qual você ficou com mais vontade? Me conta aí nos comentários!

Beijoos ;*

quinta-feira, 25 de março de 2021

Resenha literária: O Alienista HQ

Olá querido(a)!
A resenha literária de hoje é sobre o livro O Alienista HQ.


Sinopse: O doutor Simão Bacamarte funda um hospício na pequena Itaguaí. Mas suas ideias sobre loucura são tão inflexíveis que ele interna a cidade inteira. Uma das mais irônicas e sombrias histórias de Machado de Assis.

Assunto: Clássico, HQ.

Editora: Ática.

Páginas: 72.

Ano: 2019.

Sobre o autor: Joaquim Maria Machado de Assis foi um escritor brasileiro, considerado por muitos críticos, estudiosos, escritores e leitores um dos maiores senão o maior nome da literatura do Brasil.


Confesso que esse livro não estava na minha lista de leituras, porém quando vi na lista de material escolar da minha irmã eu fiquei interessada. Acabei decidindo ler, já que adoro histórias em HQ.

A capa do livro me agrada bastante. Ela possui um ar sombrio e nela podemos ver através de uma janela o doutor Simão Bacamarte. Também podemos observar sombras de pessoas que passam pela rua. As ilustrações de dentro do livro são muito bonitas também. Como é um livro curto e em formato de HQ, a leitura foi rápida.

Não sou uma grande leitora dos clássicos, por isso ainda não tinha lido essa história. Já tinha lido uns dois livros de Machado de Assis, mas os outros eu simplesmente enrolava para ler. Essa versão em quadrinhos acabou me chamando bastante a atenção, porque é um formato que eu tenho gostado. A história é bem interessante e se passa numa cidadezinha que fica em polvorosa quando é fundado um hospício nela. Ao longo da história a gente percebe que a cidade toda vai sendo tida como louca, e os métodos nada ortodoxos de Bacamarte para atestar a loucura dos outros. Uma história bem interessante e que me chamou tanta a atenção que pretendo ler o original, porque essa é uma versão adaptada.

Um livro bacana para quem tem interesse nos clássicos, mas quer uma versão mais fácil de ler.


O que você achou da resenha? Já leu esse livro? Tem interesse em ler? Deixe seu comentário aqui embaixo, estou doida para saber a sua opinião!

Beijoos ;*

quarta-feira, 24 de março de 2021

Garimpando peças xadrez

Olá querido(a)!
Na semana passada falei um pouco sobre as estampas xadrez. Hoje vim mostrar opções de peças xadrez que você pode adquirir agora. Achei algumas coisas bem parecidas com o que mostrei antes.


Meus achados foram feitos pela internet mesmo, em lojas que a gente já tem aquela confiança. Confesso que algumas peças que escolhi já fiquei querendo, haha.



O que achou das peças que garimpei por aí? Qual a sua favorita? Me conta aí nos comentários!

Beijoos ;*


terça-feira, 23 de março de 2021

Sessão pipoca: Número 23

Olá querido(a)!
O filme escolhido para a sessão pipoca de hoje foi Número 23.


Sinopse: Walter Sparrow (Jim Carrey) é um simplório pai de família, que ganhou um livro de presente de sua esposa, Agatha (Virginia Madsen). Chamado "O Número 23", o livro narra a obsessão de um homem com este número e como isto começa a modificar sua vida. Ao lê-lo Walter reconhece várias de suas passagens, como sendo situações que ele próprio viveu. Aos poucos ele nota a presença do número 23 em seu passado e também no presente, tornando-se cada vez mais paranóico. Como o livro termina com uma morte brutal, Walter passa a temer que ele esteja se tornando um assassino

Gênero: Suspense.


Achei esse filme por acaso no catálogo da Globoplay. Confesso que já tinha assistido esse filme uns 10 anos atrás, quando passou na TV, porém nunca consegui rever ele até esses dias. Acabei assistindo com a minha irmã porque eu sabia que a história era boa, mas não lembrava de muita coisa.

O filme é uma piração total, mas eu adoro. Tudo gira em torno do número cabalístico 23, mas isso só ocorre quando o Walter acha um livro que fala sobre isso. Ele começa a achar que a história tem tudo a ver com a vida dele e começa a achar o número 23 em tudo ao seu redor. A gente passa o filme inteiro entrando na doideira dele e também tentando encontrar uma explicação. Quando a história se esclarece, somos surpreendidos. Acho que é um filme com uma história bem fechadinha, em que todos os pontos são esclarecidos. Um filme de suspense de deixar os cabelos em pé. E para mim essa é a melhor atuação do Jim Carey, pena que não é um filme tão famoso e conhecido.

Indico esse filme para quem gosta de um bom suspense que deixa a gente imerso na trama. Não indico esse filme para crianças, porque é um filme com muita violência.



OBS: você percebeu que hoje é dia 23? Espero que não comece a perceber esse número na sua vida, haha.

Você já assistiu esse filme? Deixe um comentário falando o que achou sobre ele e sobre a sessão pipoca de hoje, vou adorar saber a sua opinião :)

Beijoos ;*

segunda-feira, 22 de março de 2021

Como falar em felicidade quando vivemos tempos difíceis?

Olá querido(a)!

Hoje a minha missão era vir aqui e escrever um texto sobre felicidade, mas não dá. Como se sentir feliz em meio ao caos que vivemos?


A um ano atrás um vírus desconhecido surgiu no planeta Terra e a gente achou que em torno de um mês tudo estaria sob controle. Não ficou. De lá pra cá as coisas só pioraram. Apesar de sabermos mais sobre o vírus hoje do que no início da pandemia, as coisas continuam ruins.

Diziam que aprenderíamos muito nesses "tempos difíceis", mas isso só mostrou mesmo o pior lado dos seres humanos. Como se sentir feliz desse jeito?

No início rolava uma certa empatia em relação as mortes que estavam ocorrendo, hoje apenas a indiferença. Morre muito mais gente agora que temos mais informação, do que quando estávamos no escuro.

Sabe aquelas histórias de "cada um faz a sua parte e podemos ter um mundo melhor"? Pura balela! Todo mundo prega isso, mas no fim das contas poucos dão conta de praticar. Empatia pelo outro? Parece que cada dia ela está mais longe. Percebo que as pessoas não fazem o mínimo, nem por ela e nem pelas outras pessoas.

Tudo bem, temos muitas questões. Pessoas precisam trabalhar para se alimentar. Mas pessoas também precisam evitar aglomerações para evitar a propagação do vírus. Mas pessoas que morrem do vírus ou de fome, não trabalham. Ou seja, muito complicado.

Fico pensando e pensando. Penso na pandemia, nas pessoas que se foram, naquelas que estão lutando (tanto para por comida na mesa como nos leitos de UTI), no quanto o nosso país se afunda a cada dia mais, no quanto as pessoas não tomam cuidados básicos para evitar o contágio, penso muito...

E de tanto pensar, penso: Como ser feliz num cenário de caos? Como ficar feliz enquanto outros choram? Sei lá, complicado...

É importante ficar feliz com as nossas pequenas vitórias no dia-a-dia da nossa vida, mas também é importante refletir sobre os problemas. Porque é complicado comemorar enquanto tanta gente sofre por aí.

Queria estar falando sobre felicidade. E eu estou feliz por estar viva, mas estou triste pelo mundo que sofre. Posso até estar feliz com algumas coisas, mas sempre consciente do que acontece a minha volta.

sexta-feira, 19 de março de 2021

Minhas leituras de fevereiro de 2021

Olá querido(a)!
Hoje vim compartilhar minhas leituras do mês com você. Se você não viu minhas leituras de Janeiro, você está esperando o que? No mês passado não li tanto, porque estava muito ocupada com a mudança e também assistindo BBB. Mas estou feliz de ter feito pelo menos algumas leituras. Quero muito ler mais, mas preciso organizar meus horários para isso.

1- O Coach do Foda-se


2- A Grande Gripe


3- Desastres Sexuais


O que achou dos livros que eu li? Me conta aí quais foram suas leituras do mês passado!

Beijoos ;*

quinta-feira, 18 de março de 2021

Sessão pipoca: Trilogia Para Todos os Garotos

Olá querido(a)! 
A sessão pipoca de hoje é sobre uma trilogia, Para Todos os Garotos.


Esse é aquele tipo de filme que eu adoro: romance adolescente. Já tinha assistido o primeiro e o segundo filmes logo quando foram lançados, mas resolvi assistir de novo para poder assistir o terceiro. Eu acho que é um romance super bonitinho. Confesso que algumas vezes fiquei com raiva do Kavinsky, mas tudo indicava que eles iam e tinham que ficar juntos. Nem tenho o que falar. É aquele filme clichê, mas que dá aquele quentinho no coração? Eu amo!

O primeiro filme mostra como a Lara Jean (laranjinha pros íntimos) começou a se envolver com o Kavinsky. Ela escreve cartas para todos os garotos que ela em algum momento gostou, mas não as envia. Ela diz que isso ajuda a organizar os sentimentos que ela tem por eles, e eu imagino que seja para tirar dela e colocar tudo num envelope guardadinho. Mas acontece o pior, ou melhor, e as cartas acabam sendo enviadas para os garotos. Um deles é Kavinsky. A partir daí eles começam um namoro de mentira, mas a gente sabe que essas coisas não acabam bem, né? Ou podem acabar ótimas, haha.

No segundo filme eles já estão namorando sério, porém surgem alguém do passado. Um dos garotos que ela já gostou recebe a carta e aparece na cidade. Eles acabam ficando próximos e a Lara Jean fica um pouco mexida e pensando nas possibilidades, já que ele também tinha interesse nela. O relacionamento dela e do Kavinsky fica meio abalado, mas no fim das contas ela faz a escolha certa.

No terceiro filme eles estão prestes a terminar o colegial e assim ingressar na faculdade. O grande problema agora é entrar na mesma faculdade para assim continuarem o namoro. Lara Jean tenta entrar em Stanford porque o Kavinsky vai para lá, porém ela tenta outras opções também. Sinto que ela passa o filme inteiro em dúvida se estuda na mesma faculdade que ele ou em uma faculdade que tem o melhor programa de literatura. Numa viagem da escola ela conhece a faculdade de Nova York e se encanta com o que vê, mas é muito longe de Stanford. Nisso ela começa a ter dúvidas sobre a escolha que deve tomar.

Recomendo os filmes para pessoas que são românticas como eu e que adoram um bom filminho adolescente para se distrair um pouquinho. Todos os três filmes estão disponíveis na Netflix.

Para Todos os Garotos que Já Amei


Sinopse: Lara Jean Song Covey (Lana Condor) escreve cartas de amor secretas para todos os seus antigos paqueras. Um dia, essas cartas são misteriosamente enviadas para os meninos sobre os quem ela escreve, virando sua vida de cabeça para baixo.

Gênero: Comédia Dramática, Romance.


Para Todos os Garotos: PS. Ainda Amo Você


Sinopse: Em Para Todos Os Garotos: PS. Ainda Amo Você, Lara Jean (Lana Condor) não esperava se apaixonar por Peter Kavinsky (Noah Centineo) quando eles fingiam namorar, mas agora a relação dos dois deixou de ser artificial. Só que, ao se reconectar com uma paixão do passado, John (Jordan Fisher), tudo fica ainda mais complicado para a jovem, que precisa entender o que se passa internamente para tomar uma grande decisão.

Gênero: Comédia, Romance.


Para Todos Os Garotos 3: Agora e Para Sempre


Sinopse: Em Para Todos os Garotos: Agora e Para Sempre, Lara Jean (Lana Condor) está bastante ansiosa em seu último ano do ensino médio para estudar junto com seu namorado, Peter (Noah Centineo), na Universidade da Virgínia. Peter foi aceito anteriormente ao ganhar uma bolsa de estudos devido à prática de esportes. Quando as cartas de universidade chegam, Lara Jean descobre que foi rejeitada.

Gênero: Comédia, Drama, Romance.


Você já assistiu algum desses filmes? Deixe um comentário falando o que achou sobre eles e sobre a sessão pipoca de hoje, vou adorar saber a sua opinião :)

Beijoos ;*

quarta-feira, 17 de março de 2021

Tendência: looks xadrez para usar no outono|inverno 2021

Olá querido(a)!
A estampa xadrez é uma das grandes apostas para as próximas estações, apesar de eu achar que ela está em alta nos últimos anos. Ela nunca saiu do meu guarda-roupa e eu adoro, quase um clássico da moda, principalmente no street style.


Não sabemos direito quando começaram a surgir as primeiras estampas xadrez, alguns dizem que foram os Celtas e outros que foram os Escoceses. Só sei que os Escoceses começaram a usar nos kilts, que são aquelas "saias". Geralmente as utilizavam essas estampas nas cores vermelho, azul ou verde.

Porém o xadrez se popularizou mesmo nos anos 70, a partir do movimento punk. Nessa época as cores mais populares da estampa foram o vermelho, o amarelo e em tons de cinza. Geralmente aparecia nas calças ou nas jaquetas, sempre um ou outro.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre essa estampa, vamos as inspirações e dicas de looks.


Gosto de como a moda funciona, já que ela está sempre em mudança e retorno também. Os conjuntinhos foram moda, depois deixaram de ser e a algum tempo atrás voltaram. Um clássico é o conjunto em xadrez de cor amarela que ficou eternizado no filme Patricinhas de Beverly Hills. Lógico que você pode investir em outras cores, como o vermelho ou o azul.

A gente sempre pensa nas cores mais clássicas para o xadrez como o vermelho ou aqueles com tons de cinza, porém para esse inverno a aposta é em outras cores como o azul e o verde. Na inspiração acima temos uma inspiração que possui as duas cores. Apesar de ser um look que remete a era punk, ele não traz o clássico vermelho, então possui aquele toque fashionista.


Os vestidos xadrez também são uma boa aposta para o outono e inverno, principalmente os longos. Eles podem ser usados com botas e para completar uma jaqueta, que pode ser de couro. Uma outra dica é usar os vestidos em sobreposições. Você pode usar um vestido mais ajustado e colocar uma blusa de manga por baixo, o que dá uma cara bem moderna ao look.


Eu confesso que sou fã de looks mais despretensiosos e casuais usando a peça xadrez. Amo essa coisa da camisa xadrez, principalmente nas cores amarelo, vermelho e tons de cinza. Acho que ficam incríveis naquele look mais básico, tipo um look todo preto ou um look jeans. Você pode usar naquele dia mais frio ou para dar aquele truque de style amarrando na cintura.

São muitas as possibilidades para criar um look bem estiloso utilizando a peça xadrez. Minha dica é sempre investir numa peça coringa ou em algo que se encaixe no seu estilo.

O que achou das dicas? Já possui sua peça xadrez? Me conta aí nos comentários!

Beijoos ;*

  

terça-feira, 16 de março de 2021

Resenha literária: Meu corpo minha casa

Olá querido(a)!
A resenha literária de hoje é sobre o livro Meu corpo minha casa.


Sinopse: Da autora #1 do The New York Times, a terceira coletânea de poesias de Rupi Kaur, maior fenômeno da poesia mundial nos últimos anos um dos temas mais frequentes na obra de Rupi Kaur é a importância que há em crescer e estar sempre em movimento. em meu corpo minha casa, ela leva leitoras e leitores a uma jornada de reflexão através da intimidade e dos sentimentos mais fortes, visitando o passado, o presente e o potencial que existe em nós. os poemas dessa coletânea, ilustrada pela autora, inspiram uma conversa interna em cada uma, em cada um, lembrando que precisamos nos preencher de amor, de aceitação e de confiança em nossas relações familiares e de comunidade. e, sempre, que precisamos estar de braços abertos para as mudanças em nossas vidas. mergulho na nascente do meu corpo e chego a outro mundo eu tenho tudo o que preciso aqui dentro não há motivo para procurar em outro lugar – meu corpo minha casa.

Assunto: Poema, Poesia.

Editora: Planeta.

Páginas: 192.

Ano: 2020.

Sobre a autora: Rupi Kaur é uma escritora e artista que vive em Toronto, no Canadá. aos 5 anos, ela começou a desenhar, um hobby que herdou de sua mãe. imigrante da índia, ela não conseguia falar em inglês com outras crianças na escola, o que a fez passar bastante tempo sozinha. Quando aprendeu o idioma, encontrou nos livros os melhores amigos. ela desenhou até os 17 anos, em 2009, quando passou a se dedicar mais à escrita e às performances. hoje rupi usa diferentes meios para se expressar: a poesia, a ilustração, o design, a fotografia, os vídeos. em novembro de 2014, publicou seu primeiro livro, milk and honey – editado no brasil como outros jeitos de usar a boca, best-seller mundial. o que o sol faz com as flores (the sun and her flowers) é seu segundo livro publicado pela Planeta, quetraz agora meu corpo minha casa, uma das mais aguardadas publicações dos últimos anos.


Mais um livro da Rupi Kaur por aqui simplesmente porque eu amo essa mulher. Nunca pensei que ia gostar tanto de livros de poesia, mas acho que foi por causa do primeiro que li dela que comecei a gostar.

A capa do livro é bem simples. Ela possui uma coloração puxada para tons marrons com detalhes em verde. Apesar de simples, é uma estética que me agrada bastante. O que eu mais gosto é que o livro tem várias ilustrações da própria autora, então é bem lindinho por dentro também. Um livro que fiz uma leitura rápida, porque não é grande

"se você aceitasse
que a perfeição é inatingível
de que insegurança você abriria mão"

Eu sempre acho que os poemas da Rupi Kaur são um tapa na nossa cara e nesse livro não podia ser diferente. Ela sempre escreve as coisas que sente ou já sentiu e percorre pautas bem interessantes neles. Nesse livro em específico ela fala de coisas profundas sobre nós mesmas, sobre nosso corpo e nossa mente. Muitas poemas fazem a gente refletir sobre tudo que se passa dentro da gente. Gostei principalmente dos primeiros capítulos em que ela aborda ansiedade, depressão e auto imagem. Nos capítulos finais ela trata muito do não-pertencimento e das dores de ser imigrante. Apesar de não me identificar, achei os poemas cheios de força e emocionantes.

Para quem gosta de ler poemas e poesias, esse é um bom livro. Com temas profundos, ele vai fazer você refletir sobre você mesmo.


O que você achou da resenha? Já leu esse livro? Tem interesse em ler? Deixe seu comentário aqui embaixo, estou doida para saber a sua opinião!

Beijoos ;*

segunda-feira, 15 de março de 2021

O consumo traz a felicidade?

Olá querido(a)!

Muito falamos sobre dinheiro. Sobre o dinheiro trazer felicidade. E isso nos leva a crer que felicidade é consumir coisas, já que o dinheiro é basicamente para isso. Tudo bem que também compra os melhores tratamentos médicos e comida, mas quem pensa nisso quando a saúde está 100% e tem comida na mesa? A gente pensa em ter dinheiro por conta de saúde mesmo? Vamos ser sinceros: NÃO! A gente quer ter dinheiro para ter acesso aos mais luxuosos bens de consumo que o dinheiro pode comprar.


Entramos numa pira que a felicidade tem relação com dinheiro. E claro, que a maioria dos problemas se resolvem com dinheiro, mas a felicidade não devia nem está ligada a isso. Se a felicidade fosse tão fácil assim de alcançar a gente não teria tanta gente que tem dinheiro com depressão e infeliz. Precisamos de mais relações com pessoas e menos com objetos inanimados.

"A capacidade de ampliação da felicidade é bastante limitada; não pode ser ampliada para além do nível de satisfação das "necessidades básicas", tal como definido por Abraham Maslow." - A ética é possível em um mundo de consumidores?, Zygmunt Bauman.

 


Quando você analisa a pirâmide acima, você consegue entender como funcionam as nossas necessidades como seres humanos que somos. Na base da pirâmide temos os desejos básicos e só podemos ir subindo de nível assim que as necessidades mais próximas a base sejam satisfeitas. E eu tenho para mim que sempre falta algo nas camadas mais baixas da pirâmide, e que por isso quando chegamos no topo não conseguimos estar realmente satisfeitos, sempre vai existir algo para abalar a felicidade plena.

"Nossa sociedade de consumidores talvez seja a única na história humana a prometer felicidade na vida terrena, aqui e agora, em cada um e todos os "agora" - uma felicidade não postergada e sempre contínua; é a única que se abstém de justificar qualquer variedade de infelicidade, que se recusa a tolerá-la e a apresenta como uma abominação a exigir castigo para seus culpados e compensação para as vítimas." A ética é possível em um mundo de consumidores?, Zygmunt Bauman.

Porém, levando essa questão da felicidade para o mercado de consumo: ele NUNCA te deixará ficar satisfeito, afinal, ele lucra com a SUA INSATISFAÇÃO. Por isso que quanto mais a gente compra, mais quer comprar. Você acha que as coisas ficam ultrapassadas por quê? E o que dizer dos bens que não duram muito tempo e logo você tem que comprar novamente? O mercado cria INSATISFAÇÃO e vende a SOLUÇÃO para quem está disposto a pagar o preço.

O que podemos tirar disso tudo? O mesmo mercado que te vende FELICIDADE empacotada em formato de produtos que vão mudar a sua vida também cria a INFELICIDADE que está dentro de você. Por isso, devemos buscar a felicidade nas pequenas coisas da vida que realmente fazem sentido para a gente e não em produtos.

Não estou aqui para demonizar o consumo, mas quero abrir seus olhos e te fazer refletir nesse dia mundial do consumidor: Consumir realmente é o caminho para felicidade? Comprar coisas realmente te deixa feliz, ou a felicidade é momentânea? Quanto tempo dura essa "felicidade" de adquirir um novo produto? É uma felicidade plena?

Espero que eu tenha conseguido abrir seus olhos em relação a esse assunto.